Novas regras para as emissões atmosféricas

Reportagem Especial | Reportagem de Capa | 01.08.2009
Publicação
Imagens
Diuvlgação Rigesa
Cuidados com o meio ambiente podem custar caro, exigindo altos investimentos. Quando a área a ser melhorada é a de emissões atmosféricas, a despesa com a mudança de equipamentos pode ser ainda maior. Instalar um novo precipitador eletrostático que garanta redução do material particulado, por exemplo, pode implicar a compra de uma caldeira totalmente nova. Por isso, ao se projetar o aporte de recursos nessa área, é preciso ir muito além da relação custo x benefício. “A maioria das empresas pensa no investimento inicial com retorno muito rápido, mas às vezes a sustentabilidade no longo prazo é que deve ser buscada”, acredita Ali Ayoub, gerente de Engenharia e Serviços Técnicos da fábrica de papel da Rigesa.

A empresa foi uma das que passaram pelo dilema de ter de trocar equipamentos em prol de uma melhoria ambiental. A fábrica em Três Barras (SC) foi inaugurada em 1974 com uma tecnologia da década de 1930, quando a caldeira de biomassa funcionava com uma grelha basculante. “A antiga caldeira não era eficiente, havia uma emissão de material particulado muito alta e a fumaça era escura o suficiente para estar fora da legislação ambiental estadual”, lembra Ayoub. Por conta disso, em 1999 a Rigesa passou a estudar um projeto que pudesse resolver esses problemas, inclusive ajudando a fábrica a se adequar caso os limites de emissões passassem a ser menores no futuro.

A preocupação veio em boa hora, já que no final de 2006 foi aprovada a Resolução nº 382 do Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente), que passou a definir limites bem restritivos para as novas fontes fixas de emissões e abriu portas para uma futura lei que controlaria também as emissões das fábricas mais antigas. Nei Lima, coordenador da Comissão de Meio Ambiente da ABTCP e diretor da Ecoáguas Consultoria, acredita que, mesmo ainda não havendo uma data definida, não vai demorar muito para que essa nova lei entre em vigor. “Com a busca pela produção mais limpa, o Conama já criou a lei específica para as novas fontes fixas de emissões, estabelecendo parâmetros para cada setor industrial. Agora, é a fase de criação de parâmetros para as fontes já existentes, o que irá afetar todas as fábricas do setor”, diz.

Para discutir o conteúdo da futura lei, foi criado um Grupo de Trabalho (GT) dentro do Conselho focado exclusivamente na área de celulose. Lima, um dos participantes, explica que essa divisão é muito importante, pois garante que cada setor tenha uma legislação de acordo com seu tipo de produção. “No passado, os valores exigidos às vezes não condiziam com a realidade da indústria. O TRS, enxofre total reduzido, por exemplo, era considerado para nosso setor, que, porém, praticamente não tinha esse tipo de emissão”, explica. Ele ainda comenta que o setor de celulose é o mais adiantado nos trabalhos, já tendo, inclusive, apresentado todas as sugestões de novos parâmetros.

Conforme explica Solange Cristina do Nascimento, engenheira química do Sinpacel (Sindicado das Indústrias de Celulose e Papel do Paraná) e também participante do grupo, a ideia é de que se mantenham os limites da Conama 382 (confira no box os números), deixando apenas a emissão de material particulado menos restritiva. “Percebemos que muitas empresas já investiram e estão adequadas aos limites estaduais, porém a maioria não conseguiria atender aos limites de material particulado se fosse seguida à risca a Conama 382”, diz.

Leia o artigo completo no arquivo PDF
Anexos

Adobe PDF | 579 Kb

 

Para procurar por publicações similares, clique
nos temas acima ou nos textos listados ao lado.
Você também pode realizar uma pesquisa
no campo superior desta página.
Você pode ainda publicar seu comentário logo abaixo, assim como mandar sua sugestão por e-mail.


Participe, deixe abaixo os seus comentários.

Ajax Indicator
Ajax Indicator

Institucional

Conheça aqui a rede de comunicação da Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel.

Contato

A ABTCP espera sua mensagem, seja para anunciar, enviar sugestões ou tirar dúvidas sobre nossas publicações.

O Papel | ABTCP | Todos os direitos reservados 2009