Inovação e a necessidade de uma visão estratégica

Artigos Assinados | Série Especial “Cenários e Perspectivas Setoriais” - Artigo 4 | 01.08.2009
Publicação
Inovação e a necessidade de uma visão estratégica para o desenvolvimento tecnológico no setor

Autores:
Marcos Avó (e-mail: marcos@lunica.com.br) 
                Ricardo Altmann (e-mail: ricardo@lunica.com.br)

“Pesquisa básica é uma forma de usar dinheiro e transformá-lo em conhecimento. Já a inovação é uma forma de usar conhecimento e transformá-lo em dinheiro.”

Glauco Arbix, ex-presidente do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e professor livre docente do Departamento de Sociologia da USP


Com admirável poder de síntese, na declaração acima, o professor Glauco Arbix define inovação sob uma perspectiva moderna. Inovação ocorre apenas quando o conhecimento existente, seja de cunho técnico, tecnológico, de gestão ou o que quer que seja, é utilizado para a geração de aplicações úteis para a sociedade, e, por consequência, numa lógica capitalista, com geração de ganhos financeiros para alguém.

Naturalmente, trata-se de uma provocação, mas é algo que nos incita a refletir sobre nosso entendimento e, também, a importância da inovação, da pesquisa e do desenvolvimento para as empresas e como agimos para materializá-los. Normalmente, assumimos posições parciais, voltadas aos nossos interesses mais imediatos no desempenho de nossas funções – se somos pesquisadores, queremos mais recursos e apoio para nossas pesquisas; se somos técnicos, queremos melhorias para nossos processos e equipamentos; se somos gestores, procuramos os melhores resultados financeiros e de mercado para tudo o que é realizado na dimensão técnica e assim por diante. Muitas vezes, isso não é suficiente...

Uma visão sistêmica e estratégica do ciclo de inovação é fundamental na conjuntura atual de globalização e competitividade crescente, como forma de coordenar e integrar esforços quando estamos envolvidos em alguma das partes de um sistema de inovação, qualquer que seja. A identificação de lacunas; a otimização do uso de recursos disponíveis; o desenvolvimento correto e orientado de recursos humanos para as atividades de P&D; a integração entre pesquisa, desenvolvimento e a lógica de inovação, bem como a construção de uma visão de futuro da tecnologia e seus impactos no setor, são, todos esses, exemplos de tópicos que só podem ser tratados sob uma perspectiva estratégica da inovação e da tecnologia (incluindo, nesse contexto, todas as atividades de P&D).

Num setor industrial bastante calcado nas dimensões tecnológica e técnica, como é o caso do setor de papel e celulose, há muito conhecimento acumulado no transcorrer da história de seu desenvolvimento e também muitos aspectos sobre os quais se deseja gerar e aprimorar conhecimento daqui para a frente, visando ao aumento de competitividade, rentabilidade e, em última análise, importância na sociedade brasileira. Tais fatores, se tomarmos a provocação do professor Arbix como referência, estão intrinsecamente ligados à inovação.

Leia o artigo completo no arquivo PDF
Anexos

Adobe PDF | 429 Kb

 

Para procurar por publicações similares, clique
nos temas acima ou nos textos listados ao lado.
Você também pode realizar uma pesquisa
no campo superior desta página.
Você pode ainda publicar seu comentário logo abaixo, assim como mandar sua sugestão por e-mail.


Participe, deixe abaixo os seus comentários.

Ajax Indicator
Ajax Indicator

Institucional

Conheça aqui a rede de comunicação da Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel.

Contato

A ABTCP espera sua mensagem, seja para anunciar, enviar sugestões ou tirar dúvidas sobre nossas publicações.

O Papel | ABTCP | Todos os direitos reservados 2009