Sessão Profissional do Futuro discutiu novas tendências

ABTCP 2017 | ABTCP 2017 - Sessão Técnica de Papel | 27.10.2017
Publicação

Durante o ABTCP 2017 – 50º Congresso e Exposição Internacional de Celulose e Papel, uma sessão temática foi dedicada exclusivamente para tratar, dentro do tema geral sobre o futuro do setor, do perfil dos profissionais que formarão os quadros das empresas e como elas devem desde já se adaptar aos novos tempos – e não se trata apenas de acomodar novas gerações e conflitos intergeracionais, mas também de novos processos, modos de pensar e relações de trabalho.

O sócio-diretor da FALCONI Gente, Josué Bressane Júnior, abriu a sessão no dia 24 de outubro falando sobre as tendências na relação de trabalho. “As empresas começam a trabalhar mais por equipes de projeto, as informações são muito mais compartilhadas, o trabalho remoto marca mais presença e há preocupação com diversidade e multicultura,” disse o especialista, que salientou dois outros pontos: a necessidade de empresas terem propósito e cultura bem definidos para atrair e reter novos talentos, e que empresas não valem mais o lucro que têm, e sim o valor que entregam. Ele também adiantou algumas das profissões do futuro, como especialista em gestão de resíduos e curador de sustentabilidade, duas funções especialmente interessantes ao setor.

O gerente de inovação e de tecnologia do SENAI, Osvaldo Lahoz Maia, foi o keynote da sessão abordando o preparo de jovens, as capacidades que devem ser desenvolvidas, o problema da automatização e outras tendências. Maia destrinchou o problema educacional no País e como isso afetará tanto as empresas quanto profissionais do futuro, dizendo que “ou o país faz um esforço sério e muito grande na questão educacional ou continuaremos na mesma situação em (termos de) competitividade”. Ele adiantou que, mesmo assim, não haverá no futuro a substituição total de empregos, afinal, “a criatividade nunca será substituída” – habilidade esta que segundo Maia será muito mais demandada em todas as áreas.

O gerente de DHO regional da Fibria, José Alexandre Monteiro dos Santos, fez sua apresentação sobre o tema, seguido pelo gerente de recuperação e utilidades da Eldorado, Murilo Sanches da Silva, logo antes de participarem do painel de discussão junto a Maia, debate que teve boa participação da plateia. Uma das perguntas feitas aos três palestrantes foi sobre a preparação dos líderes para este futuro, que muitas vezes promove excelentes técnicos e engenheiros para posições de gestão, algo para o qual podem não ter aptidão. Sanches disse que “é preciso mudar a chave” tanto na preparação de futuros colaboradores quanto gestores, enquanto Maia disse acreditar em uma “seleção natural” de líderes no futuro. “O novo líder do século XXI é diferente mesmo”, afirmou. Já Santos ressaltou que a preocupação com esse ponto já perpassa o setor, e que inclusive “o profissional de gestão é o que está mais preocupado, ou deveria estar”.


Nota: 
Para mais detalhes sobre os temas debatidos nas Sessões Técnicas e Temáticas do ABTCP 2017 – 50º Congresso Internacional de Celulose e Papel, confira a edição especial da O Papel de novembro, com toda a cobertura do evento.

 

Renan Fagalde
Especial para O Papel
tel. (11) 38742726
Esta publicação fala sobre
Para procurar por publicações similares, clique
nos temas acima ou nos textos listados ao lado.
Você também pode realizar uma pesquisa
no campo superior desta página.
Você pode ainda publicar seu comentário logo abaixo, assim como mandar sua sugestão por e-mail.


Participe, deixe abaixo os seus comentários.

Ajax Indicator
Ajax Indicator

Institucional

Conheça aqui a rede de comunicação da Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel.

Contato

A ABTCP espera sua mensagem, seja para anunciar, enviar sugestões ou tirar dúvidas sobre nossas publicações.

O Papel | ABTCP | Todos os direitos reservados 2009