Indústria 4.0 tem sessão dedicada no ABTCP 2017

ABTCP 2017 | ABTCP 2017 - Sessão Técnica de Papel | 27.10.2017
Publicação

No dia 25 de outubro, durante o ABTCP 2017 – 50º Congresso e Exposição Internacional de Celulose e Papel, a sessão temática sobre indústria 4.0 apresentou à plateia durante todo o dia as tendências, as dificuldades e outros pontos salientes sobre a questão. Como visto durante a apresentação do presidente da Fisher International, Rod Fisher, o tema vai muito além da simples automatização de fábricas e processos.

Fisher tratou da inteligência de negócios (Business Intelligence), algo que faz parte desta nova revolução industrial e que é muito pouco usado, principalmente no setor de papel e celulose. “Um investimento em BI pode dar retornos melhores que qualquer outro”, disse ele na abertura de sua apresentação, uma vez que a disponibilidade e a quantidade de informações são alguns dos principais marcos da indústria 4.0 – a chave está em utilizá-los bem e para além apenas da fábrica. Ele trouxe dados sobre os gastos da indústria papeleira em BI, que somam menos de US$ 75 milhões ao ano, “em uma indústria que tem mais de um trilhão de dólares em ativos e pouco menos que isso em vendas anualmente”, frisando a subutilização da inteligência em negócios.

Isso foi algo que o diretor da International Society of Automation (ISA), Luiz Roberto Egreja, também aprofundou em sua apresentação. “A indústria 4.0 é um processo muito maior que só a indústria, é uma revolução que afeta todas as áreas”, afirmou, destacando que não apenas a tecnologia avança e muda, mas que o principal driver são o que as pessoas hoje e amanhã demandarão e como consumirão produtos e serviços. Egreja explicou também o conceito da economia da experiência, em que produtos personalizados são reis e fez uma provocação: “será que a indústria de celulose terá que oferecer produtos personalizados? Talvez sim, talvez não”.

Outras apresentações, como a da NSK, Valmet, Voith e SICK demonstraram produtos e serviços projetados para atender as novas demandas do setor. Posteriormente, o gerente do departamento de telecomunicações e tecnologia da informação da Cenibra, Ronaldo Neves Ribeiro, fez uma provocação importante antes do painel de discussão da sessão temática: “qual é o core business da indústria de celulose hoje e qual será daqui a 10 anos?”. Junto ao coordenador de projetos da Klabin, Cleverson Torelli, e o coordenador de manutenção da Fibria, Wellington Pimentel Felix, os três formaram o painel e responderam perguntas da plateia presente, encerrando a sessão temática.


Nota: Para mais detalhes sobre os temas debatidos nas Sessões Técnicas e Temáticas do ABTCP 2017 – 50º Congresso Internacional de Celulose e Papel, confira a edição especial da O Papel de novembro, com toda a cobertura do evento.

 

Renan Fagalde
Especial para O Papel
tel. (11) 38742726
Para procurar por publicações similares, clique
nos temas acima ou nos textos listados ao lado.
Você também pode realizar uma pesquisa
no campo superior desta página.
Você pode ainda publicar seu comentário logo abaixo, assim como mandar sua sugestão por e-mail.


Participe, deixe abaixo os seus comentários.

Ajax Indicator
Ajax Indicator

Institucional

Conheça aqui a rede de comunicação da Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel.

Contato

A ABTCP espera sua mensagem, seja para anunciar, enviar sugestões ou tirar dúvidas sobre nossas publicações.

O Papel | ABTCP | Todos os direitos reservados 2009