Fusão dá origem a uma das maiores empresas do Brasil

Publicação
Nasce a Suzano, fruto da união entre Suzano Papel e Celulose e Fibria
Fusão dá origem a uma das maiores empresas do Brasil

São Paulo, 14 de janeiro de 2019 – A Suzano, empresa resultante da fusão entre a Suzano Papel e Celulose e a Fibria, inicia hoje suas operações. A companhia já nasce líder global na produção de celulose de eucalipto, além de ser uma das maiores fabricantes de papéis da América Latina. O acordo, anunciado em março de 2018, foi submetido à aprovação de todos os órgãos reguladores nacionais e internacionais. A última etapa da operação foi realizada hoje após a Suzano Papel e Celulose efetuar o pagamento de R$ 27,8 bilhões aos acionistas da Fibria, que se tornam acionistas da Suzano, nova marca da empresa.
“Concluímos com êxito a realização de um sonho. A jornada que começa agora é movida pelo desejo de sermos protagonistas na evolução da sociedade e referência no uso sustentável de recursos renováveis e, a partir disso, contribuir para a construção de um mundo melhor, agora e no futuro”, afirma Walter Schalka, Presidente da Suzano. 
A empresa já nasce com capacidade de produção de 11 milhões de toneladas de celulose de mercado e de 1,4 milhão de toneladas de papel por ano. A competitividade da Suzano pode ser medida por sua presença global, com vendas para mais de 80 países e exportações de R$ 26 bilhões ao ano, e pela dimensão das operações, com 11 fábricas distribuídas pelo País e cerca de 37 mil colaboradores diretos e indiretos.
Dentro desse processo de integração das duas empresas, a união das melhores práticas operacionais com pessoas engajadas que, transformam, geram e compartilham valor, e com fornecedores, clientes, acionistas e todos os demais públicos será fundamental.
           “Uniremos a tecnologia ao espírito empreendedor para irmos além. É assim que faremos a diferença para a sociedade ao impactar positivamente desde as comunidades nas quais estamos presentes até bilhões de pessoas que usam diariamente produtos fabricados com nossa celulose em todo o mundo”, diz Schalka.
A companhia também entende que Inovação e Sustentabilidade andam lado a lado. Por isso, a soma de tecnologia, empreendedorismo e agricultura responsável continuará a garantir o crescimento e a perenidade dos negócios.
O mais novo passo da empresa foi concluído hoje, e é resultado de um trabalho estratégico desenvolvido ao longo de 2018. A fusão obteve as aprovações necessárias de autoridades concorrenciais dos Estados Unidos (31/05), da China (31/08), da Turquia (06/09), da Europa (29/11) e do Brasil (CADE - Conselho Administrativo de Defesa Econômica - 11/10 - e da ANTAQ - Agência Nacional de Transportes Aquaviários - 14/11). 
Em paralelo, foram realizadas com êxito as etapas previstas no mercado de capitais. Em dezembro de 2018, a companhia iniciou a negociação de ADSs (American Depositary Shares) na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE). Ter ações listadas na NYSE aumentam a liquidez e ampliam a visibilidade e valorização da companhia no exterior. Agora, com a conclusão da fusão, a Suzano integrou suas ações com as da Fibria e está utilizando a sigla “SUZ” na comercialização de seus papéis pelas bolsas B3, no Brasil, e NYSE. 
            “Estamos entusiasmados em relação às transformações que a Suzano está vivendo e reforçamos, nesse momento, o compromisso de seguirmos contribuindo para o desenvolvimento do Brasil e para a promoção da educação, da cultura, da saúde e do bem-estar na vida das pessoas”, ressalta Schalka.

 

Esta publicação fala sobre
Para procurar por publicações similares, clique
nos temas acima ou nos textos listados ao lado.
Você também pode realizar uma pesquisa
no campo superior desta página.
Você pode ainda publicar seu comentário logo abaixo, assim como mandar sua sugestão por e-mail.

Publicações relevantes