Publicação
Com investimento de R$ 51,7 milhões, CMPC realiza Parada Geral com sucesso na linha 2 de Guaíba (RS) 
A empresa contou com cerca de 2,4 mil prestadores de serviços de 91 empresas seguindo protocolos rígidos de prevenção e cuidados para garantir a segurança de todos na unidade industrial 

Maior indústria do Rio Grande do Sul, a CMPC concluiu na última semana a Parada Geral de Manutenção em uma de suas linhas de produção industrial. Após a estruturação de um minucioso plano, a empresa executou com sucesso o desafio de realizar a ação, que teve a duração de dez dias, em meio a uma pandemia e ainda contribuiu com um investimento de R﹩ 51,7 milhões na economia estadual. A iniciativa é de suma importância para que a unidade industrial cumpra com todas as normas operacionais de sustentabilidade, saúde e segurança e para que a companhia continue atendendo às demandas da sociedade, garantindo que itens essenciais produzidos à base de celulose cheguem nas residências das famílias, tais como embalagens de medicamentos e alimentos, papel higiênico, papel toalha, entre outros produtos de higiene e limpeza. 

"O grande o objetivo da Parada Geral é realizar a inspeção em caldeiras de recuperação com foco em segurança, sustentabilidade e saúde das pessoas. Durante este período, equipamentos e ferramentas são avaliados, reparados, lubrificados e substituídos caso necessário, proporcionando também uma redução de custos e melhores resultados de produção, sempre com respeito ao meio ambiente. Ou seja, é um período estratégico em que as principais linhas produtivas interrompem suas atividades para manutenção e implementação de novos projetos e que nos dá a garantia de seguir operando com segurança por mais 15 meses, quando outra parada geral deve vir a ser feita", explica o diretor-geral da CMPC, Mauricio Harger. 

Para a realização da ação foram contratadas de 91 empresas, sendo aproximadamente 50% de mão de obra proveniente do Rio Grande do Sul, desse montante, 375 profissionais são de Guaíba. No período foram servidas cerca de 70 mil refeições. 

A atenção aos detalhes na estruturação do plano resultou na aprovação pela Vigilância Sanitária municipal de Guaíba e pelo Governo do Estado do Rio Grande do Sul. A empresa também o apresentou para outras instituições que tratam do tema como a Vigilância Sanitária do Rio Grande do Sul, Assembleia Legislativa do RS, Ministério Público Estadual, Prefeitura Municipal de Porto Alegre e Procuradoria Geral do Estado. 

A companhia, que foi pioneira na implantação de um protocolo com mais de 20 medidas de prevenção e cuidados ao COVID-19, adotou regras ainda mais rigorosas para o período. "Consultamos todas as pessoas e instituições que aprovariam nosso plano, e mais do que isso, que pudessem contribuir para torna-lo ainda mais robusto e alinhado com a saúde das pessoas da CMPC, da comunidade de Guaíba e as demais cidades vizinhas. O resultado de sucesso comprovou que iniciativas como essa, quando bem desenhadas, com diálogo e transparência com instituições e com as pessoas, tendem a ser bem-sucedidas", destaca Mauricio. 

De um total de 2444 profissionais que trabalharam na ação somente três foram positivados com o vírus, esses rapidamente afastados e, hoje, já estão 100% recuperados. Entre os cuidados tomados estiveram ações como a realização de testes para COVID-19 em todos os trabalhadores, independente do estado e município de origem. Os profissionais de outros estados realizaram testes antes da viagem de seu estado de origem, e após sua chegada ao Rio Grande do Sul, cumprindo ainda um período de quarentena antes de acessar à unidade industrial. Para que fosse possível fazer a rastreabilidade de todas as pessoas envolvidas na parada geral, os profissionais também foram divididos em grupos por cores, ou seja, a pessoa que trabalhou em uma determinada atividade e estava hospedada em um hotel da cor azul, frequentou o ônibus diário de cor azul, fez uso dos sanitários de cor azul e a sua alimentação foi feita no restaurante também de cor azul. Além disso, em todas as circunstâncias foi obrigatório a utilização dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs): em alguns casos máscaras N95, em outros, máscaras cirúrgicas e, em todos, luvas. 

Os recursos tecnológicos contribuíram para os bons resultados de todo o processo, com a utilização de capacetes para medir a temperatura corporal à distância, uso de óculos com realidade aumentada para supervisão remota e suporte aos profissionais em campo, e aplicativo para monitorar em tempo real à performance e a evolução dos trabalhos na Parada Geral. 

"Foi recompensador ver o resultado do empenho de todas as equipes para seguir os protocolos, garantindo a saúde e a segurança de todas as equipes envolvidas. Essa foi apenas mais uma fase superada, mas os cuidados não podem parar. Seguimos trabalhando com atenção e segurança, cumprindo com rigor todas as medidas preventivas do nosso Protocolo", afirma Mauricio. 


Fonte: CMPC

 

Não há temas
Para procurar por publicações similares, clique
nos temas acima ou nos textos listados ao lado.
Você também pode realizar uma pesquisa
no campo superior desta página.
Você pode ainda publicar seu comentário logo abaixo, assim como mandar sua sugestão por e-mail.


Participe, deixe abaixo os seus comentários.

Ajax Indicator
Ajax Indicator

Institucional

Conheça aqui a rede de comunicação da Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel.

Contato

A ABTCP espera sua mensagem, seja para anunciar, enviar sugestões ou tirar dúvidas sobre nossas publicações.

O Papel | ABTCP | Todos os direitos reservados 2009