Irani comercializa 155.885 ton de créditos de carbono

Publicação
Irani comercializa 155.885 toneladas de créditos de carbono em 2021

Ação faz parte do compromisso da empresa de colaborar com a preservação ambiental e contribuir com a pauta de ações voltadas à mitigação das mudanças do clima

Como parte do seu compromisso de colaborar com a preservação do meio ambiente e reduzir os impactos ambientais de acordo com as melhores práticas de gestão ambiental, a Irani Papel e Embalagem fechou o ano de 2021 com volume significativo de venda de créditos de carbono. Os principais clientes foram grandes empresas do panorama nacional que buscaram através destes a neutralização de parte das emissões. Foram comercializados ao todo 155.885 CER´s (Redução de Emissão Certificada) oriundos do projeto de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) -- Estação de Tratamento de Efluentes. Registrado na ONU (Organização das Nações Unidas) como "Irani Wastewater Methane Avoidance Project", este projeto foi o primeiro, no mundo, de tratamento de efluentes totalmente aeróbio.
 

No avanço deste cenário sustentável, a companhia catarinense conta com dois projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), que possibilitam a venda de créditos de carbono. O primeiro deles, a Usina de Co-Geração, localizada em Santa Catarina, proporciona a redução das emissões de gases do efeito estufa (GEE) como o metano e o dióxido de carbono por meio da produção de energia elétrica limpa. Essa iniciativa tornou a Irani a primeira empresa brasileira do setor de papel e celulose e a segunda empresa no mundo em seu segmento a ter créditos de carbono emitidos pelo Protocolo de Kyoto. Desde 2006, juntos, os dois projetos já renderam à companhia catarinense aproximadamente R$ 19,5 milhões.
 

Segundo o gerente de Sustentabilidade da Irani, Leandro Farina, a iniciativa reaproveita os resíduos de bases florestais e os utiliza como combustível, permitindo a produção de energia renovável e buscando conservar e otimizar recursos naturais, evitando a utilização de energia proveniente de fontes não renováveis.
 

"Além da Usina de Co-Geração, temos também um segundo projeto de MDL, a Estação de Tratamento de Efluentes, que visa evitar as emissões de metano gerado por meio do tratamento e descarte da água residual, atuando pelo novo sistema de tratamento de água residual e que utiliza de lodo ativado com aeração prolongada", esclarece o executivo.
 

A Irani também se orgulha de ter sido a primeira empresa brasileira do setor de papel e embalagens, no Brasil, a certificar um inventário de Gases de Efeito Estufa (GEE), de acordo com a ISO 14064:2006.
 

"Um dos valores da Irani é o da eficiência e transparência em sustentabilidade ambiental, pois estamos sempre buscando otimizar a nossa operação por meio de novos projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo. Assim, contribuímos com a economia de baixo carbono e economia circular tendo sempre em mente que esse conceito de reciclar recursos está integralmente alinhado ao nosso negócio, sendo mais vantajoso para o meio ambiente e para as comunidades do entorno de nossas unidades industriais", finaliza Farina.

 

Esta publicação fala sobre
Para procurar por publicações similares, clique
nos temas acima ou nos textos listados ao lado.
Você também pode realizar uma pesquisa
no campo superior desta página.
Você pode ainda publicar seu comentário logo abaixo, assim como mandar sua sugestão por e-mail.


Participe, deixe abaixo os seus comentários.

Ajax Indicator
Ajax Indicator

Institucional

Conheça aqui a rede de comunicação da Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel.

Contato

A ABTCP espera sua mensagem, seja para anunciar, enviar sugestões ou tirar dúvidas sobre nossas publicações.

O Papel | ABTCP | Todos os direitos reservados 2009