Suzano registra caixa operacional de R$ 3,9 bi no 1T22

Publicação
A Suzano, referência global na fabricação de bioprodutos desenvolvidos a partir do cultivo de eucalipto, divulga o balanço referente ao primeiro trimestre de 2022 (1T22) com um EBITDA ajustado de R$ 5,1 bilhões, alta de 5% em relação ao primeiro trimestre do ano passado (1T21). A geração de caixa operacional, outro importante indicador que mede a saúde financeira da companhia, totalizou R$ 3,9 bilhões, estável em igual base de comparação. 

Mesmo diante de um cenário de forte pressão de custos, sobretudo de insumos como químicos e combustíveis, e da apreciação do real frente ao dólar, a solidez da companhia e sua disciplina financeira possibilitam avanços conforme planejados em seu plano de investimento, que prevê o desembolso de R$ 13,6 bilhões em 2022, incluindo o aumento de capacidade a partir da construção de uma nova fábrica de celulose no município de Ribas do Rio Pardo (MS), chamado de Projeto Cerrado. 

O endividamento da companhia continua em patamares considerados adequados e a alavancagem, medida pela relação entre dívida líquida e EBITDA ajustado, ficou em 2,4 vezes em dólar, estável em relação ao final de 2021 e inferior às 3,8 vezes registradas ao final do primeiro trimestre de 2021. A dívida líquida se manteve praticamente inalterada na comparação com o trimestre anterior ao atingir US$ 10,5 bilhões, mesmo com o aumento dos investimentos e com o pagamento de dividendos ocorrido em janeiro último.  

Entre os destaques do trimestre, marcado por uma maior concentração de paradas programadas nas fábricas da Suzano, está a venda de 2,4 milhões de toneladas de celulose e a manutenção de estoques baixos, decorrente da forte demanda no período. O custo caixa de produção de celulose atingiu R$ 868 por tonelada, alta de 16% em relação ao quarto trimestre de 2021, impactado pela pressão de preços das principais commodities dada a conjuntura global no início deste ano.  

As vendas de papéis totalizaram 312 mil toneladas. Com isso, a receita líquida resultante das vendas de celulose e papéis somou R$ 9,7 bilhões. 

"Tivemos um trimestre de geração de caixa consistente, a despeito da alta dos custos e da valorização do real frente ao dólar. Esses efeitos foram parcialmente mitigados pela alta dos preços no mercado internacional, que, aliás, ainda não está plenamente refletida nos resultados do trimestre, e pela eficiência de nosso negócio e dos nossos times nas frentes operacional e comercial", afirma o presidente da Suzano, Walter Schalka. "Continuamos avançando com nosso plano estratégico conforme previsto, com destaque para o Projeto Cerrado e as evoluções na agenda ESG (ambiental, social e de governança, na sigla em inglês)", complementa. 

Na última linha do balanço, a variação cambial durante o primeiro trimestre de 2022 levou a empresa a registrar um resultado líquido positivo de R$ 10,3 bilhões. 

 

Esta publicação fala sobre
Para procurar por publicações similares, clique
nos temas acima ou nos textos listados ao lado.
Você também pode realizar uma pesquisa
no campo superior desta página.
Você pode ainda publicar seu comentário logo abaixo, assim como mandar sua sugestão por e-mail.


Participe, deixe abaixo os seus comentários.

Ajax Indicator
Ajax Indicator

Institucional

Conheça aqui a rede de comunicação da Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel.

Contato

A ABTCP espera sua mensagem, seja para anunciar, enviar sugestões ou tirar dúvidas sobre nossas publicações.

O Papel | ABTCP | Todos os direitos reservados 2009