Viveiro da Suzano produzirá até 35 milhões de mudas

Publicação
Novo viveiro da Suzano em Ribas do Rio Pardo (MS) produzirá até 35 milhões de mudas de eucalipto por ano 


A estrutura ocupa uma área de cerca de 21 hectares e terá área construída de 111 mil m², devendo ser finalizada em meados de 2024 
Durante as obras, cerca de 300 pessoas serão empregadas e, quando entrar em operação, serão gerados 200 empregos diretos 

A Suzano, referência global na fabricação de bioprodutos desenvolvidos a partir do cultivo de eucalipto, está construindo um viveiro com capacidade para produzir 35 milhões de mudas de eucalipto por ano que vão atender à demanda do maciço florestal de sua nova fábrica de Ribas do Rio Pardo (MS). Uma das mais modernas e sustentáveis da companhia, a estrutura ocupa uma área de cerca de 21 hectares e terá área construída de 111 mil m², devendo ser finalizada em meados de 2024. Durante as obras, cerca de 300 pessoas serão empregadas e, quando entrar em operação, serão gerados 200 empregos diretos. 

 

"Para a Suzano, além da matéria-prima essencial para os nossos produtos, as árvores representam um grande símbolo de renovação e, por meio do novo viveiro de mudas que estamos construindo ao lado da nossa nova fábrica, temos a garantia de que o ciclo de plantio da base florestal será cada vez mais produtivo e sustentável. Para isso, estão sendo empregados métodos e processos sustentáveis, como o uso racional da água e o uso de energia gerada pela nova fábrica, reforçando o compromisso da empresa com as pessoas e o planeta. Afinal, nós acreditamos que 'só é bom para nós se for bom para o mundo'", ressalta Maurício Miranda, diretor de engenharia da Suzano. 

 

A estrutura ainda contará com equipamentos bioecológicos que serão capazes de garantir uma operação altamente tecnológica e sustentável. "O viveiro de Ribas do Rio Pardo contará com duas máquinas para produção de tubetes biodegradáveis, que possibilitará o cultivo das mudas de eucalipto em recipientes produzidos a partir de uma mistura de compostos orgânicos, removendo do processo a necessidade do uso de materiais plásticos." comenta Rodrigo Zagonel, gerente executivo florestal da Suzano.  

 

Além de ser alimentada por energia renovável, a estrutura ainda contará com processos automatizados de irrigação que serão definidos por ação humana, mas acionadas por sistema eletrônico. As mudas ainda fornecerão maior qualidade e redução de custo para a operação florestal da região de Ribas do Rio Pardo.  

 

Maciço florestal  

 

De acordo com o último Resumo do Plano de Manejo Florestal da companhia, divulgado em 2022, a Suzano possui aproximadamente 458,4 mil hectares de florestas plantadas de eucalipto e 169,3 mil hectares destinados exclusivamente para a conservação da biodiversidade no Mato Grosso do Sul. Até o fim da construção e implantação da nova fábrica, prevista para o segundo semestre de 2024, a empresa deve ampliar para 600 mil hectares a base florestal no estado. 

 

"Na Suzano seguimos uma política de produção e consumo responsáveis e, por isso, adotamos a política de zero desmatamento. Todas as nossas florestas de eucalipto estão instaladas em áreas que já eram ocupadas por outras culturas. Essa política integra o nosso compromisso público de contribuir com a conservação da biodiversidade, destinando mais de 35% das nossas áreas próprias para a preservação de florestas nativas. Neste sentido, estamos implantando corredores ecológicos em todos os estados onde mantemos operações com a meta de conectar mais de 500 mil hectares dos biomas Cerrado, Mata Atlântica e Amazônia", completa Maurício Miranda. 

 

No Mato Grosso do Sul, o corredor ecológico foi lançado em março deste ano com o objetivo de conectar 136 mil hectares de áreas prioritárias de conservação ambiental do bioma Cerrado, por meio da implantação de um corredor ecológico de 394 quilômetros no estado. A iniciativa prevê ações de reflorestamento com mudas nativas interligando áreas prioritárias de seis municípios (Água Clara, Brasilândia, Ribas do Rio Pardo, Santa Rita do Pardo, Selvíria e Três Lagoas). 

Fonte: Suzano

 

Esta publicação fala sobre
Para procurar por publicações similares, clique
nos temas acima ou nos textos listados ao lado.
Você também pode realizar uma pesquisa
no campo superior desta página.
Você pode ainda publicar seu comentário logo abaixo, assim como mandar sua sugestão por e-mail.


Participe, deixe abaixo os seus comentários.

Ajax Indicator
Ajax Indicator

Institucional

Conheça aqui a rede de comunicação da Associação Brasileira Técnica de Celulose e Papel.

Contato

A ABTCP espera sua mensagem, seja para anunciar, enviar sugestões ou tirar dúvidas sobre nossas publicações.

O Papel | ABTCP | Todos os direitos reservados 2009